VOLTAR  

PROGRAMAÇÃO CURSO DE US, DOPPLER E ELASTOGRAFIA PARA O CLÍNICO

Sábado e Domingo –  26 e 27 de setembro 2015
Os avanços que você precisa conhecer para melhorar seu desempenho como médico
Professora convidada Dra. Lucy Kerr*

QUEM PRECISA DESTE CURSO?

O curso destina-se a clínicos, estudantes de medicina, residentes, médicos ortomoleculares, ultrassonografistas, demais especialista em diagnóstico por imagem que desejam reciclar e qualquer profissional da saúde que deseje inteirar-se sobre os avanços desta área do diagnóstico por imagem, que é a que mais cresce desde 1980 e cujos avanços são mais frequentes e significantes entre as demais do contesto da imagem, o que dificulta a contínua atualização.

E para isso foram selecionados temas particularmente importantes do dia-a-dia do clínico e do ultrassonografista, que implicam em decisões de conduta que impactam a vida do médico e do paciente.

Não podemos dispensar o método na rotina de investigação do nosso paciente e também não podemos permitir que um exame inadequado prejudique o paciente e a imagem do clínico. Saber usar e entender quando recebe o exame que não responde as questões relevantes que deveriam e poderiam ser respondidas pelo método são os focos principais que serão abordados neste curso.

Venha aprender com quem entende e sabe explicar!

DADOS PARA INSCRIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO:

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E ESTUDO NA AREA DA SAUDE
Inscrição é via email fapes@fapes.net ou telefone 11. 3873-4000 ou 3672-1122 
Horarios colocamos 09:00 as 17:00 no sabado e 09:00 as 14:00 (sem horario de almoço) no domingo, totalizando 13hs

PROGRAMA DO CURSO

  1. 1ª Aula: US do fígado: doenças focais e difusas.
  • Explica-se os princípios do diagnóstico e principais dificuldades diagnósticas.
  • Quais são os sinais típicos de doença hepática focal e os inespecíficos que requerem investigação adicional.
  • Quais exames são mais indicados para avançar na investigação diagnóstica
  1. 2ª aula: US  do exame tríplice do fígado: Contexto clínico da hepatopatia crônica.
  • Dificuldades no Diagnóstico diferencial US das hepatopatias difusas.
  • Noções básicas de elastografia.
  • Métodos de elastografia hepática.
  • Como a Elastografia hepática auxilia no DD-US das hepatopatias difusas, com ênfase na quantificação, seguimento, prognóstico e  complicações da fibrose hepática.
  • Exemplos ilustrativos e estudos da literatura.
  • Consensos Brasil e Guidelines internacionais.
  1. 3ª aula- US e Doppler nas patologias da vesícula biliar.
  • O que o clínico necessita saber da avaliação US e Doppler das patologias da vesícula biliar
  • Como o método detecta as patologias da vesícula biliar
  • Como detectar a qualidade do exame realizado (confiabilidade do resultado).
  • O papel do Doppler colorido.
  1. 4ª aula – US e Doppler das vias biliares.
  • Como a US pode auxiliar no diagnóstico e conduta das patologias das vias biliares
  • O papel do Doppler colorido.
  • Onde e como ocorrem as falhas diagnósticas.
  1. 5ª aula: Diagnóstico diferencial US e Doppler dos nódulos benignos e malignos das mamas
  • Critérios que permitem caracterizar os nódulos mama como benignos ou malignos.
  • Padrões inconclusivos de nódulos mamários .
  • Conduta recomendada.
  • Porque a mamografia, a RNM e a mamotomia devem ser evitadas.
  1. 6ª aula: Exame tríplice das mamas: US, Doppler e Elastografia
  • Quando e como a associação dos três exames auxilia no Diagnóstico Diferencial das lesões focais das mamas.
  • Conduta na Classificação Birads III, IVA, IVB e V do exame tríplice.
  • Quando indicar a PAAF, a biópsia de fragmento e a biópsias cirúrgica.
  1. 7ª aula: Exame da próstata
  • Avaliação clínica e exames laboratoriais da próstata.
  • Métodos de exame US e Doppler: quais informações fornecem e o que falta.
  • Exame tríplice da próstata na patologia benigna e maligna.
  • Quando a biópsia da próstata está indicada?
  1. 8ª aula: avaliação US e Doppler do trato gastrointestinal
  • Explicar o que é a assinatura Gastrointestinal.
  • Princípios diagnósticos das patologias inflamatórias e focais do tubo digestivo.
  • Entender em que doenças do trato digestivo a US, Doppler e elastografia podem ser mais úteis e são o exame de primeira indicação na avaliação do trato digestivo: Doença de Chron (oculta aos métodos de rastreamento convencionais), a apendicite aguda.
  • Quais  patologias gástricas e intestinais são detectáveis pela US  em exame normal de rastreio: gastrite (antecipa o diagnóstico endoscópico),Doença de Crohn úlcera péptica, diverticulose, diverticulite e suas complicações.
  1. 9ª aula: Exame tríplice da tireoide: US, Doppler e elastografia
  • Porque a patologia tireoidiana está tão disseminada? É real ou devido ao excesso de investigação de imagens em nossos pacientes?
  • Como o exame tríplice: US, Doppler e elastografia podem auxiliar no diagnóstico diferencial dos nódulos benignos e malignos tireoidianos.
  • Porque mapear os nódulos tireoidianos e caracterizá-los?
  • Conduta após caracterização do exame tríplice nódulos tireoidianos
  • Como seguir o paciente após diagnóstico e cirurgia câncer de tireoide?
  1. A loja tireoidiana e os linfonodos cervicais no câncer da tireoide.
  • Mapeamento dos linfonodos cervicais antes e após a tireoidectomia total pelo câncer da tireoide.
  • Recidiva local e restos tumorais na loja tireoidiana.
  • O mapeamento dos linfonodos cervicais seguindo os níveis cirúrgicos.
  • Como diferenciar os linfonodos cervicais malignos dos benignos.
  • Quando e como utilizar a PAAF guiada pelo US para coleta citopatológica e dosagem da tireoglobulina e calcitonina do lavado da agulha.

 

*A Dra. Lucy Kerr é pioneira da Ultrassonografia no Brasil, presidente fundadora da SBUS, presidente fundadora da FISUSAL – Federação Internacional das Sociedades de Ultrassonografia da América Latina e é  especialista em Ultrassonografia por 4 sociedades nacionais e duas internacionais, inclusive o  ARDMS (American Register of Diagnostic Medical Sonography) dos EUA

Deseja se cadastrar em nosso mailing?